A data comemorativa destinada a homenagear a profissão que cuida dos cabelos humanos é o 19 de janeiro. A celebração também está ligada, portanto, ao bem-estar e a autoestima.

A regulemantação do Dia do Cabeleireiro aconteceu em 2012, através do decreto de lei nº 12595, que determinava sua oficialização. Curiosamente, outros momentos do calendário também são tratados como oficiais por conta da tradição popular. Entre eles, cabe destacar o 3 de setembro e também o 3 de novembro. A identificação com este último, aliás, vem do fato de ser o mesmo dia designado à celebração de São Martinho de Porres, considerado o padroeiro deste tipo de profissional.

Para se tornar cabeleireiro é necessário estar tecnicamente preparado através de cursos e especializações que viabilizam as noções fundamentais do trabalho. Este ofício, além de tudo, também pode ser considerado como artesanal, devido a sua perícia e consciência artística. Durante sua aprendizagem, o aspirante irá aprender a lidar com os diferentes tipos de corte e o uso de materiais e utensílios variados como, por exemplo, tesouras e tintas.

A precisão e a destreza das mãos são pré-requisitos indispensáveis para se fomar um bom profissional da área. Juntos delas estão uma noção estética muito apurada e a criatividade pessoal. Nada disso, entrentando, tem valor se não ocorre a sintonia total com aquilo que é pedido pelo cliente, pois tudo pode vir por água abaixo caso não se execute aquilo que foi previamente estabelecido de acordo com o desejo de quem se submete às mudanças no visual.

A relevância deste trabalho está relacionada a se sentir bem com a própria beleza no cotidiano, já que mudar um simples corte de cabelo pode ser muito bom para a imagem que possuimos de nós mesmos.